15 de fevereiro de 2008

World Cup 2018?

I'm probably not the best person to comment football issues. But I'm sure I can comment the organization of a World Cup.

I admit I like events such as Euro and World Cups and I actually enjoy those great games full of adrenaline and anxiety. They are also major social events when peoples come together, when crowds gather under the same pretext, when we are aware we belong to a place and act in unisson with our fellow citizens. Besides, we are talking about hugely profitable events that generate revenue for the countries hosting them.

We were thrilled when we organized Expo '98. We were one of the happiest nations on Earth when we hosted the Euro 2004. We were proud that we had the Paris-Dakar starting in our capital. Why can't we host the 2018 World Cup on our own?

I know we went to pharaonic spending to build those ten stadiums, most of which are now virtually abandoned. I know we are a country a bit short of ten million inhabitants. I know it is highly arguable that, with so much we need to invest in health and education, we should be spending zillions to organize a mere football championship.

But if we do want to step forward and bring the organization of the 2018 World Cup to Portugal, why on Earth do we need Spain for? We're absolutely capable of doing great things on our own, are we not? If it's a question of financing the event let's forget the issue altogether. But if it really is to spend money anyway, hell let's spend it without a Spanish invasion.

If there's a Portuguese/Spanish World Cup, guess who's going to host the final game? Claro, nuestros hermanos! Guess where most games will be played? In Spain, naturally! That is, we spend the money, we go through all of the ordeals of organizing something like this, we go through all the crises and antagonism of the press, the public and the government being at each others' throats and then what? The Spaniards have all the glory!

No, I don't think there should be a Portuguese/Spanish World Cup. Either a Portuguese World Cup or no Cup at all. It's a question of: it's either our way, or no way. Sorry but I'm adamant on this one!

17 comentários:

quintarantino disse...

Miss, if we get into serious troubles with our neighbours I'll sure will know where to seek the "starter".

By the way, don't you worry... nobody heard them say they want to do the World Cup with us ...

Manuel Rocha disse...

Bem...eu neste assunto sou suspeito porque devo ter um gene recessivo herdado da padeira de Aljubarrota...:)))

João Castanhinha disse...

Answer in my blog:)

bluegift disse...

Pois, eu não tenho acompanhado esse assunto, mas cheira-me a esturro essa aliança com a Espanha neste domínio. E não é nada prático andar a viajar entre Lisboa e Madrid...
Afinal, gastámos tanto dinheiro para o Europeu porque não aplicar o mesmo espaço para o Mundial? Cá para nós, também não me parece que eles estejam interessados em repartir o bolo connosco...

Blondewithaphd disse...

Quinny darling,
Of course they wouldn't want a joint event. Viva la España! It's always their motto, right? And they are 100% correct. Patriotism is a wonderful thing!

Blondewithaphd disse...

Dear Manuel,
Hmm... acho que também devo ter aqui algures um gene desses...;)

Blondewithaphd disse...

Jedi Man,
You know what? You honour your Jedi apprenticeship! I'm very proud of you! May the Force be with you!

Blondewithaphd disse...

Blue darling,
Birds of a feather flock together, haven't you heard? I'm with you on this one if you don't mind!
And blessed be the day they don't want to share that kind of event with us!

António de Almeida disse...

-Vamos a factos. Um mundial necessita 8 a 12 estádios, em cerca de 10 cidades, para ser funcionalmente viável. É disputado por 32 equipas, no Euro são 16, o que obriga a um maior número de unidades hoteleiras e centros de estégio para as equipas. A creditação de jornalistas e adeptos, quase que dobra o Euro. Isto para dizer que Portugal não dispõe de condições suficientes em termos de infra-estruturas para organizar um Mundial por si só. A questão que se coloca é, estará a Espanha interessada em partilhar tal evento com Portugal? Não me parece, para tal, Espanha teria de ser o centro do evento, o palco da final, em Madrid naturalmente, mesmo que pretendesse deixar o jogo inaugural para Lisboa, como reagiria Barcelona? E que jogos ficariam para o Porto ou Algarve, quando competindo com Sevilha, Saragoça, Valência, S.Sebastian, Bilbau, Corunha ou Vigo? Se quiserem colocar jogos em Braga, Guimarães, Coimbra ou Aveiro, contraponho Códova, Múrcia, Alicante, Malaga, Oviedo ou Pamplona, mas poderia continuar a lista. Para mais, excluir algumas destas cidades, do ponto de vista da Real Fed. Espanhola, seria provocar problemas regionais e autonómicos, sobre os quais certamente o governo interviria. A única hioótese viável, a meu ver é claro, seria Portugal candidatar-se á organização por si próprio, negociando alguns jogos com as juntas da Galiza e Andaluzia, cedendo a cada uma uma dessas juntas um dos 8 grupos, e alguns jogos de eliminatórias adiantadas, por exemplo um jogo dos quartos de final para cada uma. Aí já não se colocavam problemas ás restantes regiões de Espanha, pois o evento seria português, e evitaria termos de construir mais 1 ou 2 estádios, e não sei quantos campos de treino e centros de estágio. Para além de que as necessidades hoteleiras estariam asseguradas. De outro modo parece-me ser impossivel, pois investir por investir, a Espanha preferirá ir sozinha. Em todos os eventos desta envergadura com organização partilhada até hoje, os países envolvidos eram de dimensão equivalente, Bélgica/Holanda, Coreia/Japão e Áustria/Suíça.

António de Almeida disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blondewithaphd disse...

Dear Antonio de Almeida,
My feelings exactly! Por isso, que Portugal tenha o discernimento de não embarcar em megalomanias que não pode comportar ou arcar com elas, no matter what (que é normalmente a política autista que temos), e que se deixe de prestar ao papelucho subserviente de peão de segunda categoria con nuestros hermanos.

Peter disse...

"blonde"

A realização da Expo98 dotou Lisboa e em especial a zona dos Olivais, de um local privilegiado, onde dá prazer passear, fazer footing e ver os mais pequenos a brincar. Além disso temos o Aquário, talvez um dos mais visitados da Europa, e o Pavilhão Multiusos, que nos tem proporcionado espectáculos musicais e de âmbito cultural.
Valeu a pena gastar-se ali dinheiro, muito dinheiro até, se levarmos em conta o muito que ali se roubou, como ainda hoje a imprensa diária noticia.

O Campeonato da Europa 2004, salvo o "despesismo bacoco" de construir estádios a mais, foi um acontecimento, mas parou.
Não podemos embarcar, com a realização do 2018 World Cup, com ou sem Espanha, em actos de mera propaganda pessoal.

Blondewithaphd disse...

Dear Peter,
Muito sinceramente, em termos de show off, acho que Portugal tem o péssimo hábito de dar passos maiores do que lhe permitem as pernas. Gostamos de ficar bem nas fotos (normalmente até ficamos), mas à conta da fachada nunca nos focamos nos problemas reais. E assim, somos um país que faz uns eventos excepcionais mas onde nascem crianças em ambulâncias, onde se espera anos pela justiça, onde se pagam impostos exorbitantes e etc.

antonio disse...

Bem, como não podemos voltar aos tempos do orgolhosamente sós, proponho que a final seja em Lisboa... assim não ía tudo para os Espanhóis! Estamos a voltar ao tempo das vitórias morais?

Tiago R. Cardoso disse...

é uma ideia interessante, no entanto 2018 parece-me muito cedo, primeiro à que estabilizar o país, investir onde é necessário, só depois avançar com a ideia.

A mim não me chateia nada nem me preocupa uma organização em conjunto com Portugal, o orgulhosamente sós, faz me lembrar outros tempos, à mais de 35 anos atrás, onde o contacto com a Europa fazia alergia a quem mandava.

joshua disse...

Não gosto de espanhóis.

Carol disse...

Ai, Blondie, no que tu te meteste...
Para já, nada tenho contra os espanhois. Até tenho família espanhola.
Em segundo lugar, admiro-lhes o espírito nacionalista e sei, como já muitos constataram, que eles não precisam, nem nos querem como colegas de organização.
Por fim, não teremos nós, enquanto país, mais em que pensar?! Haja bom senso e já que o srº Madaíl não o tem (à custa de muito uisque), que tenham os governantes e o povo!