24 de novembro de 2008

Já chove


Here comes the rain again
Falling on my head like a memory
Falling on my head like a new emotion

Eurythmics, "Here Comes the Rain Again"

Tão apropriada a letra...

Chove e eu já tinha saudades da chuva. Tinha saudades do cheiro da terra molhada e da água limpa. Tão "clean" o cheiro da chuva, tão isento, tão transparente. E tão metafórica a chuva. Tão plena de simbolismos. Vivificante e salvífica na sua transparência e, paradoxalmente, tão destruidora na sua torrencialidade opaca.

Penso na duplicidade da chuva e lembro-me das águas do Nilo e do Amazonas, ambos alimentados por chuvas de terras altas, mas um plácido e azul o outro indomável e lodacento. Tenho saudades do Nilo. Amo o Nilo, amo a chuva que alimenta o Nilo. Tenho saudades. Saudades de muitas coisas, cujas lembranças me são despertadas por esta chuva transparente que rega o jardim, que oiço cair lá fora serenamente por entre a escuridão.

E tenho saudades do futuro. De um futuro depois da chuva.

15 comentários:

António de Almeida disse...

Os Eurythmics não foram de forma alguma um dos grupos canastrões da década de 80, a voz de Annie Lennox até se ouvia, mesmo que a milhas da minha diva em termos vocais da época, Liz Frazer. Gosto de chuva desde que não tenha de efectuar algum trabalho exterior ou conduzir longas distâncias-

André Couto disse...

Caríssima Blonde,
esprestar-te-ia, com todo o gosto, o fósforo iluminador de almas mas não o possuo...
Recorrendo à etiqueta desta publicação temos que viver da melhor forma que pudermos e soubermos: Walking in our shoes.
Dias há que o raio dos sapatos magoam muito!!
Só nos resta sentar e esperar que alarguem um pouco...
O caminho faz-se caminhando.
Como dizia o Guterres:
É a vida!

Um beijo respeitoso e solidário.

Rafeiro Perfumado disse...

Já somos dois. Sou sempre olhado de lado quando digo que adoro a chuva. Não fosse neste momento ter o nariz a pingar e até te dava uma beijoca...

Carol disse...

Eu também gosto da chuva, mas quando não tenho que apanhar com ela! ;) Gosto de a ouvir bater nas vidraças e deixar-se escorregar por elas... Gosto particularmente quando estou acompanhada...

João Castanhinha disse...

Saudades do futuro...belo.

JOY disse...

Olá Blonde,

Adoro a chuva, adoro andar á chuva e ouvir o seu cair compassado, gosto da melancolia que me provoca, gosto de me perder no manto de nevoeiro. tal como tu gosto do cheiro da terra molhada.

Fica bem
Joy

antonio - o implume disse...

As primeiras chuvas vêm carregadas de pó e mancham-me o carro, diluem o óleo acumulado nas estradas e provocam acidentes que me atrasam no regresso a casa, sim adoro as primeiras chuvas! E já agora a Bimbi não é uma panela!

indomável disse...

Blondie,

e tu dizes que não és de poesia? A tua prosa tem mais poesia que alguns poemas que tenho lido...

Já agora, vou dar uma resposta ali à Carol... minha querida, sentir a chuva na cara, enquanto se corre, a lama nas pernas depois de uma placagem bem feita, um abraço molhado no meio de uma equipa que acabou de suar e ganhar um ensaio à melhor equipa nacional... as memórias são as melhores que tenho... correr e marcar um ensaio debaixo de chuva torrencial, sim, é lindo e saboroso, acredita!

Peter disse...

É um prazer lê-la, não estou a louvaminhar, digo o que penso. É um belo texto sobre a chuva que me faz senti-la batendo nas vidraças, enquanto estou anafado na semi-obscuridade do quarto, ou a enfrento molhando-me o rosto.

Carol disse...

Deixas-me responder à INDOMÁVEL, deixas?

Eu compreendo isso tudo e deve ser muito bom, mas eu uso óculos e sem eles não vejo um boi à minha frente. Assim sendo, não convém tirar as lunettes e eu odeio ficar com as lentes molhadas...

Joaninha disse...

aha! és poetiza sim senhora!

Toma, toma, estou com a indomavel, depois vem cá com a conversa blá. blá, blá, frases não sei que, tretas!

Fora isso e agora num tom mais matematico. Gosto de chuva se e só se: Não tiver de sair de casa.
Estiver de baixo de uma mantinha
Estiver a fazer romrom.

Mas é verdade que tal como toda a gente adoro o cheirinho da terra molhada. No entando cheira melhor depois da chuva, depois...Durante...Não gosto de me molhar...

beijos

indomável disse...

Então para o pessoal que gosta mesmo é de ouvir a chuva bater no vidro lá, vou escrever uma posta lá rato, a contar das maravilhas de levar com bátegas no corpo todo, enquanto se sente o calor duma boa corrida e batalha rugbysta... querem ler? Vão lá pá!

Blondewithaphd disse...

Ó people que andam para aí a dizer dos meus dotes poéticos:
VOCÊS PARAM COM ISSO?:) Olha-m'estes! Anda uma pessoa mais "zen" e logo ouve uma coisa destas! Isto é só melancolia, melancolia, nada de poetiquices, estão a ouvir?

Ferreira-Pinto disse...

Ó pá, qualquer dia prego uma valente canelada ao raio do "blogger", este instrumento do imperialismo!

Não é que o senhor dito cujo me amarfanhou o comentário que cá tinha deixado?

Isto assim ... vai-se a ver, ainda a "chefe" me puxa as orelhas por eu nada dizer ... ai, a vida ... caneco ... mas prontos!

Olha, azarito ... mas andas "zen"? Então, ainda bem ... estás a temperar o espírito!

c valente disse...

Passei e deixo saudções amigas