26 de janeiro de 2009

Reaver o meu lugar



Por toda a casa ardem queimadores com óleo de madressilva. Quero que tudo esteja perfeito e acolhedor para logo à noite. Abro o louceiro e invade-me o cheiro aprisionado de madeira boa. Os cheiros familiares da minha casa. Escolho o serviço com as cornucópias, tiro copos de cristal e decido usar o faqueiro da Mãe. Gosto de rituais.

Tinha pensado celebrar o meu aniversário num restaurante. Afinal, é o primeiro depois da separação. Mas não, não quero a impessoalidade de um espaço público. Nem quando a Mãe morreu fizémos interregnos nos nossos rituais. Não!, vou celebrar aqui em casa, no meu espaço do qual me dou conta tenho andado afastada. Já bastou no Natal ter cedido o meu lugar como matriarca da família à Mana. Tomaram conta de mim, mimaram-me, tanto, tanto. Deixaram-me ser pequenina, filha, irmã. Aconchegaram-me naquele amor telúrico, umbilical que só temos na família. Mas agora está na altura de eu regressar ao meu papel, aquele que tomei da Mãe e que constrói parte diária da minha identidade como pessoa.

É verdade que sou uma loura bimba, uma dona-de-casa desesperada e desajeitada na cozinha, mas transcendo-me como anfitriã. Aí brilho. Poucas coisas me são tão gratas ou me dão tanto prazer como abrir as portas de casa para receber quem amo, quem estimo, quem, em suma, me acompanha no meu percurso de vida, nos vários capítulos que se vão escrevendo neste livro auto-biográfico. Passo a tarde sózinha a preparar tudo. Sinto-me feliz. Sinto-me eu.

Faço um "chèvre" em massa crocante, regado com mel e polvilhado com ervas provençais que vou servir como entrada quente. Antecipo o sucesso e vou sorrindo de mim para mim. Preparo o meu mundialmente aclamado lombo com castanhas, cujo segredo vou deixar testamentado para ser revelado só após o meu passamento para outra melhor. Faço também um misto de frutas envoltas em molho de baunilha e lascas de amêndoa (esse já partilhei com a Mana mas fi-la jurar segredo eterno) e que vou levar à mesa numa saladeira que trouxe de uma olaria na ilha de Djerba. Abro uma caixa de trufas de chocolate que trouxe da minha última ida a Londres e que era suposto ter sido aberta pelo Natal, mas que acabou esquecida. Vai ser tão bom que só a ideia me deixa alegre.

Ei-los que chegam. Animados e em bando. Misturo-me neles. A meio do serão, a Mana sussura-me: "O Pai está tão feliz por ti". Sorrio e olho para ele tagarelando do outro lado da mesa. A felicidade é tão simples...

P.S. - As flores são as primeiras que recebo neste novo capítulo que comecei a escrever na minha vida.

18 comentários:

DANTE disse...

E então hoje és pequenina? (ou ontem) Muitos parabéns Blonde!
Votos de um excelente dia para ti. Aliás , votos de uma excelente vida!

Beijo :)

José disse...

Os meus parabéns atrasados!

Já agora, fazias-me um favor? Telefonavas para o Instituto de Socorro a Náufragos e avisavas que está uma pessoa a afogar-se tanta foi a água lhe cresceu na boca. Depois desse parágrafo magnífico de descrição das iguarias, só podia.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Muitos e muitos parabéns. Pelo aniversário e pela ementa - que me deixou a salivar. Por acaso não sobrou um bocadito desse chèvre em massa crocante? Hmmm!

António de Almeida disse...

O único comentário a fazer, será parabéns!

Ferreira-Pinto disse...

Hum ... tu só me podes andar a enganar!
E muito.
Essas falas mansas que não sabes ser dona de casa e depois apresentas-me aqui uma descrição gastronómica destas?
Com testamento e juras de segredo?

E o mesmo se diga quanto à prosa, que eu em lendo aqui esta crónica quase me lembrava do Eça em "A cidade e as serras". Obviamente que a menina é mais bonita que o Jacinto, mais mundana e menos agastada ... mas lembrou-me, pronto!

Ferreira-Pinto disse...

Ah, quanto ao resto ... passo!
A não ser que até na data do aniversário a cousa ande trocada :)

mdsol disse...

Blondinha:

MUITOS PARABÉNS!

Revi-me naquela parte do texto em que assume que é uma dona decasa desesperada...mas que se transcende a receber...
Posso mandar um beijo (virtual) de parabéns?
:)))

mdsol disse...

Ah! E é-me indiferente se o texto é ficcionado ou não... importa-me o "Sinn"
:))

Carol disse...

Não li o post. Agoara não tenho tempo, mas volto later on.

Jorge Palma - Cabaret Maxime (serve?) dia 13 de Fevereiro, 22h, se não me falha a memória

lusitano disse...

Muitos parabéns e que Deus te abençoe e a todos os teus.

Abraço amigo

joshua disse...

Claramente de parabéns, a minha Blonde. E duplamente. Pois além do aniversário, o estado é outro, a recepção é intensa, sua e por isso deliciosamente caprichada e há flores.

O tempo violenta-nos e recusa-nos certos prazeres, mas vale-me pelo menos agora mesmo que te leio o consolo de, graças a ti, imaginar os melhores respastos em família, com a minha família, no consolo único de serem em família, esquecendo aquilo e aqueles que me têm feito gritar de tempos a tempos, mas na verdade com demasiada frequência: "You lay your stinkin' hands on me again and I swear, I'll kill ya."

Falta-me qualquer coisa, talvez somente isto, se conseguires imaginar o meu indicador e polegar colados a simbolizar quão pouco, para alcançar uma Liberdade mais Inteira, semelhante à tua.

Há em ti um odor a Meta, a Objectivo. Deve ser porque ser como tu é um estado de espírito que exalta, enobrece, eleva, distingue. E eu vou estando exausto de viver acabrunhado, exilado como um Filoctetes, filho do rei Peante da Melibeia e de Demonassa, da plenitude da Pólis.

antonio - o implume disse...

Parabéns. O teu texto fez-me lembrar um filme infantil que eu vi, mas... bom esquece.

Joaninha disse...

Aiiii que a minha loira fez/faz anos!

Parabéns à supre loira, ser loira assim como tu bem vale a pena, é juntar o chamado util ao agradavel...Não só é loira como, vejam lá, tem neuronios, bué deles!

Loirinha may love, és uma verdadeira maravilha do mundo natural!

E por isso deixo-te um beijo especialmissimo, daqueles que só se deixam a quem merece e por que se tem não só afecto, como respeito e admiração.
E olha que eu sou esquisitinha :)

Agora vou ali beber um porto em tua honra!

Carol disse...

12 e 13 de Fevereiro para ser mais exacta.

Carol disse...

Oh pá, A loira é aniversariante e ninguém me avisou?! Está mal!

Olha, essa história da dona de casa desesperada não me convence mais. Um repasto desses?! Nã, não é de uma dona de casa desesperada!

Esse "chèvre" deixou-me de água na boca e o lombo, então, nem se fala!
Já a sobremes, I pass. Até pode ser divinal, mas não gosto mesmo de amêndoa e baunilha também não me fascina por aí além.

De resto, que posso dizer? Parabéns, my blogfriend e que a vida te traga muitos momentos de prazer como o que esse jantar, esse convívio te deram.

Um beijo grande de alguém que muito te admira e respeita.

P.S.: Avisa a tua Mana que, quando a hora chegar, fico à espera de uma cópia do testamento receitual. ;)

indomável disse...

Happy birthday dear blondie... happy birthday to you!

Muito boa a prosa, sim senhora...
Adoro quando um texto me põe a pensar na minha própria experiência e me arranca um sorriso franco, quando sinto o cheiro e a humidade que vem do fogão, quando toco os rostos de quem sorri à volta da mesa!
Obrigada só por isso...
Quanto ao resto, a questão de se ser dona de casa desesperada, da separação... isso são só pormenores na auto-biografia,não é?

Desculpa o atraso, mas parabéns verdadeiros, minha linda, linda loiraça!

Blondewithaphd disse...

Shocks people! Vocês são ADORÁVEIS!!!!!!!!!
E sim, podem mandar beijinhos internéticos e ficar a salivar que era tudo verídico!!!! Não me transformem é em dona-de-casa fada do lar que não há jeito e maneira...:)

JOY disse...

Olá Blonde

Atrasados, mas aqui vão os meus parabéns para uma loura nada bimba e muito inteligente.

Fica bem
Joy