29 de março de 2009

Portugal - Suécia

E lá voltámos aos tempos inglórios de uma era pré-Scolari. É a crise, estúpido!
Vá, agoram façam lá as matemáticas do costume e não aprendam a jogar para ganhar que não é preciso. Ainda ouvi a bestialidade que o 2º lugar do grupo é agora o objectivo. Amélias tontas que o 2º lugar é sempre o primeiro dos últimos!

6 comentários:

mdsol disse...

Blondinha
Parece que andou a ler os gregos clássicos para afirmar tão peremptóriamente que o 2º lugar é o primeiro dos últimos. É certo que é. Mas, neste recentrar de "objectivos" está uma posição muito prática: a selecção nacional na impossibilidade de ser directamente apurada por chegar ao 1º çugar, se conseguir chegar ao 2º pode jogar os "play-off" e ainda ser apurada. Ou seja, quem disse que agora o objectivo era o 2º lugar deveria ter dito: agora o recurso é tentar chegar ao 2º lugar!
Realmente há um fosso ontológico enorme entre objectivo e recurso...

beijinho Blonde!

:)))

António de Almeida disse...

-Na era pré-Scolari já íamos às grandes competições, com Humberto Coelho e até mesmo os alhos do Oliveirinha Portugal sempre se qualificou, nos últimos 20 anos apenas falhámos 3 qualificações, uma por Artur Jorge (Mundial 98), e 2 pelo professor Pardal (vulgo Carlos Queiroz), (Euro 92 e Mundial 94), na altura ficou célebre a a sua declaração que era necessário varrer a porcaria para baixo do tapete, mal ele saiu Portugal começou a ganhar, agora será igual, é necessário mandar Queiroz embora.

mdsol disse...

António Almeida:
Quem me dera ter assim tantas certezas!

Ferreira-Pinto disse...

A verdade é que esta transição de gerações na Selecção está a revelar que não temos um guarda-redes de jeito, que o Bosingwa parece ser o único lateral-direito de jeito, que na esquerda da defesa a coisa está preta e às tantas vai ser preciso esperar que o Porto forme o Miguel Lopes em condições, que no meio campo se o Deco sai não temos quem (por muito que Tiago se esforce e no sábado jogou bem) e que na frente ter o Hugo Almeida é o mesmo que ter um penedo e que não temos um homem de área com o "killer instinct" de que tanto falava Sir Bobby Robson.
Se a tudo isto se juntar a falta de visão de Carlos Queiróz no banco, estamos feitos.
Portanto, e recapitulando, temos de ganhar na Albánia, ganhar aos magiares em casa e em Budapeste, ganhar aos dinamarqueses, trucidar Malta em nossa casa e no fim ir a Fátima de joelhos ... como vêem, o caminho até à África do Sul é trigo limpo, farinha amparo!

Eu mesma! disse...

gostei do teu cantinho!
ja te adicionei :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O 2º lugar até que nem era mau... recuso-me a crucificar Querós. Foi ele que nos deu os únicos títulos importantes no futebol: dois Mundiais. Scolari era um "bluff". Teve toda a sorte do mundo, apanhou uam selecção formada e nem assim conseguiu ganhar nada. UM NABO!!!