15 de abril de 2009

Gran Torino

E eis que, pela primeiríssima vez, vi um filme de e com Clint Eastwood. Era uma ideia feita que não gostava nem dos filmes nem do actor e, por isso, nunca me dei ao trabalho de ver nada. É a tal história ridícula das nossas pequenas embirrações irracionais. Esta era uma delas.
E agora vejo-me na contingência de ser redundante e parafrasear tudo o que se tem dito em abono de "Gran Torino". Nem foi bem a história em si, o veterano empedernido que vê serem alteradas muitas das suas ideias pré-concebidas num processo de dolorosas descobertas após vários incidentes traumáticos. Até aí nada de transcendente. Mas os diálogos...
A facilidade com que escorre pelo filme toda aquela linguagem quotidiana ilustrativa da América das grandes clivagens étnicas. E a naturalidade é tal que nada daquilo nos choca ou violenta. Fabuloso como se chama "spooks" aos afro-americanos e, dentro do diálogo, aparece o "comic relief" linguístico numa situação perturbadora: a miúda hmong a ser molestada pelos membros de um gang afro-americano.
E que dizer de expressões como "man up"? Enfim, um deleite, um festival de linguagem do melhor que tenho ouvido em filmes americanos. Só por isso até ia ver o filme outra vez (e de olhos fechados só para beber os diálogos).
Fabulastic!

13 comentários:

Storyteller disse...

Também gostei imenso! E tem um final surpreendente!

Ferreira-Pinto disse...

Eu nesta nem acredito ... então a donzela não gostava de filmes "by" Clint Eastwood?
Não sabes o que andas a perder!
Eis o que te digo.

Vai, vai e ... começa a ver os outros filmes dele, começando talvez pelas pontes de Madison County!
Isto já para não falar nas Cartas de Iwo Jima ou similares ...
Vai, vai ...

Carol disse...

A sério?! Eu sempre o achei um bocado canastrão... Se calhar, também devia ver...

Eu mesma! disse...

Ainda não vi mas... está na calha para ver!

antonio - o implume disse...

O preconceito intelectual é o mais difícil de morrer... e agora? Vou-te mandar a minha colecção dos CDs do Toy.

Abobrinha disse...

Acho que mesmo assim não vou ver o filme! Pá... Clint Eastwood? Não me parece! Com ou sem diálogos!

Tina disse...

Um filme com um final inteligente!
Eastwood também me surpreendeu...

Blondewithaphd disse...

Story,
Achas mal se eu diser que o final era "o" expectável? Agora, todo o filme, sim, é fantástico!

Ó Quinn,
O que queres, hombre, eu ouço Clint Eastwood e só me vem à cabeça o Dirty Harry or whatever bull... that was!

Carol,
Só te digo que os meus preconceitozitos em relação ao homem caíram por terra!

Eu (Tu),
Então vai ver e depois falamos...

Implume,
"Amanda" aí com Toy homem de Deus. Tu num te acanhes! O meu caixote do lixo é um local como qualquer outro:)

Abobrinha,
Não sejas assim... Olha que ias gostar. Eu era como tu e vi a luz:) :) :)

Tina,
Linda de ma vie, entonces semos duas surpreendidas, né? :)

Alexandre disse...

eu gostei do cartas de iwo jima. o outro, o flags, nem por isso. agora, filme, filme, é o do kevin bacon, taking chance..

António de Almeida disse...

Essa embirração custou-lhe até agora não ver:
-As pontes de Madison county
-Unforgiven
-Letters from Iwo Jima
-Flags of Our fathers

Entre vários bons, estes são imperdiveis. Consegue-os em DVD.

Blondewithaphd disse...

Alex,
O Kevin Bacon não é o do Footloose e daquele sobre criaturas devoradoras debaixo da terra? Que filme é esse?

António,
Nem sequer sabia da existência desse Unforgiven!!!!

Alexandre disse...

desses e do mystic river, que é do clint, também... :)

mdsol disse...

Blondinha:
De facto há um Clint E. I e um Clint E. II, quando se revelou como realizador e não só!
Mais uma vez: open mind!

:)))