22 de abril de 2009

No Dia da Terra...

Não gosto de Dias de... Nem do 25 de Abril, nem do Dia Sem Carros e muito menos do Dia da Mulher. Logo, não ligo ao Dia da Terra. Os Dias de... lembram-nos a patetice de só nos lembrarmos porque alguém nos lembra, redundante, circular e paradoxal, não?

Desconfio que muito do que nos dizem os fundamentalistas ambientais não está consubstanciado em verdadeiras pesquisas científicas. Mostrem-me cabalmente que o aquecimento global se faz sentir, ponto número 1, e, em caso afirmativo, que tal é resultado da actividade humana sobre o planeta, ponto número 2.

Agora, não deveria ser necessário haver um Dia da Terra para nos lembrar da seriedade da deflorestação agressiva, da extinção de espécies ou da poluição dos oceanos. E também não deveria ser necessário um Dia da Terra para nos incutir a adopção de hábitos salutares de civilidade ecológica. Ainda me lembro de ir ao hipermercado com os saquinhos de pano que trazia lá da Alemanha e me verem como a loura bimba metida a ecológica. Agora já vai sendo cool. Cool! Nem deveria ser necessário um Dia da Terra para se divulgarem estudos de mau-gosto que referem ser os obesos mais responsáveis pelo aquecimento global do que os magros dada a evidência lógica de que necessitam mais alimentos e mais alimentos significam mais poluição em transporte, pesticidas e etcs. (daqui 1,70m a 50 kgs já deve dar para a protecção ambiental, não?), francamente!

E depois lá vem a frase gasta e exaurida de que devemos cuidar do planeta que vamos legar aos nossos filhos. Para já alguns de nós não têm filhos e vão legar o planeta aos filhos dos outros, mas tudo bem, não nos chateamos. O que interessa é que a frase já está feita há eões de tempo e já era usada na geração que nos precedeu, afinal somos filhos de alguém também, e o que é que a frase tem contribuído para a resolução dos problemas de poluição e desgaste de recursos que provocamos? Pois...

Mas sim, se gastarmos esta Terra não temos para onde ir, pelo menos não num futuro próximo pré-ficção científica. Eu conto ir ficando por aqui...

6 comentários:

Carol disse...

Pois, é triste terem que nos lembrar da necessidade de preservar o sítio onde vivemos e do qual não nos podemos mudar!

Mas, ainda é mais triste que ainda haja quem pense que a problemática ambiental não o afecta...

Eu não sei se os ambientalistas estão a exagerar ou não, mas que caraças, custa muito cada um de nós fazer um bocadinho para cuidar do nosso planeta?!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Como escrevi no Rochedo, também sou céptico com os "Dias de...", mas penso que é urgente que nos consciencializemos da necessidade de optarmos por comportamentos mais cívicos.Quanto aos estudos de que fala eles existem, Blonde.
Também não tenho filhos, mas procuro respeitar o ambiente e.. os outros.

Ferreira-Pinto disse...

Apre, que também é demais ... não gostas do cartaz do Vital Moreira, não gostaste da entrevista do Sócrates, detestas batata e agora isto?
Nem o 25 de Abril, nem o 22 de Abril, nem ... isso, cá para mim, é da idade!
Isso ou da rouquidão, só pode ...

Os dias disto e daquilo, de facto, não fazem grande sentido, especialmente aqueles que nos deviam fazer corar de vergonha. Como este ... um tipo tem uma casa implantada numa coisa chamada Terra, mas acha que a Terra é assim uma coisa abstracta ...

Uma prova científica que o aquecimento global é um facto? Ora, ora ... bem digo eu, exigentes que nós andamos, hein!

Eu Mesma! disse...

Sinceramente estou como tu....
actualmente existem dias para tudo... é que já nao há paciencia mas....
adorei a tua imagem!

antonio - o implume disse...

Eu gosto do Natal, do meu dia de anos, de todos os feriados... gosto de dias que saibam a dias assim.

António de Almeida disse...

Hoje é o dia mundial do livro. Sugeri n'O Andarilho "O vendedor de passados", dedicado a quem nos governa...