10 de julho de 2009

Cápsula no tempo


Acabo o trabalho e apetece-me ir ver a exposição da Contacto Directo, a escola de joalharia. Estaciono nos Restauradores. Tiro o meu palhinhas que trago sempre na carrinha e, como o calor está de se aguentar, tenciono ir a pé até à Praça do Comércio e disfrutar a tarde de Sexta, naquela onda do "que bom que já é fim-de-semana!"
Passo pela Estação do Rossio e ela ali está: a exposição dos artefactos do Titanic. Detenho-me. Mudo de planos. Na escuridão fresca de uma exposição puramente à la anglo-saxónica, levo-me demoradamente num passeio ao fundo do mar, ao tempo da infância dos Avós, e fico feita parva a contemplar a garrafa de champanhe com champanhe dentro, como se estivesse viva no aqui e agora.
A tradução das informações em Inglês não é brilhante, mas, mesmo assim, é das melhores que tenho visto/lido neste tipo de evento. Gostei da "soundtrack" de cada sala e soube-me a pouco.
Espaço Rossio, na Estação do Rossio. Admissão: 13 Euros (quem levar uma radiografia para a campanha da AMI tem redução de 3 Euros). Até 9 de Agosto.

8 comentários:

Daniel Santos disse...

Muito longe para mim. Tenho aqui mais perto a Feira Medieval Erótica, ali em Gaia, afinal não é só em Lisboa que se tem grandes eventos.

Pedro Lopes disse...

expõe o grande e o pequeno que somos

Alexandre disse...

shame on you: a sustentar com o teu dinheiro as actividades depredatórias da caça ao tesouro... o que se segue? comprar blood diamonds? uma t-shirt feita numa sweat shop da indonésia? um cinzeiro feito de pata de um gorila? um pechisché em dente de marfim de elefante? comer uma sopa de barbatana de tubarão?

;)

Zana disse...

Vamos nós muito bem, a andar no nosso trilho, muitas vezes, felizes e contentes da vida, quando de repente,aparece um convite para "virarmos no cruzamento"...
Nem sempre viramos, nem sempre vemos outros caminhos,mas, mais à frente, há-de inevitavelmente aparecer outro entroncamento, e outro, e outro...

...Com champanhe, brindemos entao,à mudança, ao eterno devir,cuja mao nunca largaremos!

Abobrinha disse...

... e com a brincadeira não foste à exposição de joalharia para ver coisas que já pertenceram a gente morta!

Quando é que vais ver a exposição de joalharia?

Chinook disse...

Sabes,

É impressionante o desejo de se procurarem fortunas nos despojos do passado, sejam em escavações no Vale dos Reis (Egipto), seja nos fundos do mar.

Para além da procura das provas que possam estruturar o nosso conhecimento histórico a busca de elementos ligados ao financiamento próprio acaba sempre por trazer alguns elementos menos agradáveis.

A exposição que referes poderá ser muito interessante mas contribui efectivamente para o conhecimento histórico do que se passou e como retrato de uma época onde efectivamente viveram os nossos avós?

É uma pergunta para a qual não tenho resposta a menos de ir visitar a referida exposição. Pode ser que sim.

Tentemos.

Eu Mesma! disse...

Por acaso ja estou há uns tempos para ir ver a bela da exposicao do titanic...

acho que tenho que ganhar coragem...

:)

Pedro Lopes disse...

"Travel light?!"
Achei piada à pergunta, aqui ao lado, no campo do twitter (não uso)

O Einstein (li algures, onde?, não me lembro) fez-se a seguinte pergunta quando tinha 14 ou 15 anos:

- O que é que eu vejo se estiver sentado em cima de um raio de luz?

Tentar responder à pergunta deu na Relatividade.

O espírito dos miúdos a fazer daquelas perguntas desarmantes, às vezes aparentemente sem sentido: "se eu estiver sentado em cima de um raio de luz o que é que vejo?"

E um pai ou uma mãe que ouvisse isso:

- Cala-te com essa parvoíce e come a sopa que tens no prato...


Ah canela, sim, num café preto, o cheiro e o sabor da canela no preto amargo do café