11 de agosto de 2009

Sonhos de um dia de Verão



Dias lentos. Lânguidos. Indolentes. Mansos.

Vogo à deriva num mar incandescente. Águas plácidas. Balanço na cadência suave que me adormece.

Lembro-me de Ramsés. O perfil régio do Faraó. Vem do Tempo. Dono do Tempo. Cativos os Hititas. Conquistada a terra longínqua. Estrangeira.
Pensamentos turvos pela luz excessiva. O dia corre...

12 comentários:

Pedro Lopes disse...

Dono do Tempo. Expressão histórica? Poética? Se histórica, ignorância minha. Se poética, linda (que podia ser poética de terceiros e continuaria a ignorância minha :-))

dono do tempo
com tempo
sem tempo
do tempo dono
dono a contento?

como é ser dono do tempo
o que se faz do tempo dono
no tempo de um assim ir longo
um tempo no tempo de ser como
um tempo com o tempo todo longo
pelo tempo do tempo ser-se como
um tempo dolente bom tão longo
longamente longo logo apressado
que o tempo longo tem ar ensonado

:-)

não sei se faz sentido,
para escrever não peço licença
nem à verve
nem ao disparate
às vezes disparato
às vezes aos molhos
chamo-lhes (que sei?! :))
disparolhos

:-)

Chinook disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Chinook disse...

Não sei porquê lembrei-me deste poema:
No Entardecer dos Dias de Verão

No entardecer dos dias de Verão, às vezes,
Ainda que não haja brisa nenhuma, parece
Que passa, um momento, uma leve brisa...
Mas as árvores permanecem imóveis
Em todas as folhas das suas folhas
E os nossos sentidos tiveram uma ilusão,
Tiveram a ilusão do que lhes agradaria...
Ah, os sentidos, os doentes que vêem e ouvem!
Fôssemos nós como devíamos ser
E não haveria em nós necessidade de ilusão ...
Bastar-nos-ia sentir com clareza e vida
E nem repararmos para que há sentidos ...
Mas graças a Deus que há imperfeição no Mundo
Porque a imperfeição é uma cousa,
E haver gente que erra é original,
E haver gente doente torna o Mundo engraçado.
Se não houvesse imperfeição, havia uma cousa a menos,
E deve haver muita cousa
Para termos muito que ver e ouvir ...

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XLI"; Heterónimo de Fernando Pessoa

Eu Mesma! disse...

Dias bons... aqueles que andamos à deriva e nos deixamos ir sem rumo...

que saudades dessa leveza...

António de Almeida disse...

Sabem sempre bem uns dias sem fazer nada...

Daniel Santos disse...

Assim vale a pena, com calma e sossego.

Zana disse...

É bom sinal quando o tempo se espreguiça e nós não reclamamos...It means we're living the present moment.
Only a few can get pleasure from it. Surely you are one of those.

Alexandre disse...

Ramsés? Porquê Ramsés?? :)

Tina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tina disse...

Dias lentos?! Lânguidos?! Indolentes?! Mansos?????????!!!!!!!
Tás mesmo a precisar de passar umas férias cá para estas bandas. Aqui a tropa é bravia......

Tina disse...

E amiga zana, esta é para ti:
QUANDO É QUE APARECES?EU E A LOIRA QUEREMOS PASSAR, PELO MENOS, UM DIA CONTIGO (JUST LIKE THE OLD TIMES).

Djinn disse...

Hmmm grande faraó...mas, apenas um esclarecimento...os hititas não terão sido cativos...nem Kadech conquistada. Digamos que terá havido empate técnico e muitaaa propaganda política à mistura.

hmmm terás lido, Christian Jacq por acaso ;)?