6 de outubro de 2009

Amália... eu devia

E devia mesmo. Devia vir aqui assinalar os dez anos de ausência da Voz. Devia vir aqui dizer como foi importante e inesperado para mim descobrir Amália em Dezembro do ano passado. Devia vir aqui referir que por causa da Amália e dessa descoberta dei comigo a coleccionar e usar aqueles pendentes, tais lustres, de cristal magníficos. Devia vir aqui confessar que o cinema português não me faz sair de casa e que fui ver o filme já este ano. Devia vir aqui novamente dizer que dou comigo a ouvir, a cantar Amália vezes e vezes sem conta e que já me passou a vergonha de lhe comprar os cds: eu a loura-bimba-phd-fã-de-pop-e-fashion-statement-walking-living-breathing-stereotype.
Devia, mas outros fá-lo-ão melhor e mais veementemente do que eu. Outros dirão os clichés todos, far-lhe-ão as belas e devidas apologias, tecer-lhe-ão as elegias. Quem sou eu, afinal, no meio da multidão que hoje diz Amália?
Devia, mas hoje estou sem palavras para a minha felicidade comezinha, aquela das coisas vividas que só são importantes para mim e nesta vida anónima, que me falta a gradiloquência que a Amália merece e que eu redundo nas palavras dos outros.

11 comentários:

Daniel Santos disse...

Gostei do teu"devia". Uma boa homenagem.

Eu Mesma! disse...

tb concordo...
a tua homenagem foi optima...

eu nunca a conseguia fazer confesso...

Gaia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gaia disse...

Confesso que nunca senti inclinação para a "Diva". No entanto faz-me confusão esse festejar do aniversário da morte dela - dela e de outros que se festejam. Porque não comemorar antes o seu aniversário como se ainda vivos estivessem?

Ferreira-Pinto disse...

Mas, afinal, devias ou não?

Blondewithaphd disse...

Daniel,
Nem boa nem má, mas obrigada.

Tu mesma!,
Olha, e se fosse há uns meses atrás eu também não a conseguiria fazer.

Gaia,
Benvinda! Sabes que também nunca entendi essa de se comemorarem aniversários de mortes. Comemorar a morte? Esquisito, não?

Quinn,
Se calhar devia, mas tanta gente que já o faz que eu não faço grande falta nesse pacote apologético.

António de Almeida disse...

Nos últimos dias tenho ouvido vários temas da Amália e ainda não me cansei...

antonio - o implume disse...

Tinha ideia que o fado era em ti uma descoberta recente...

mdsol disse...

E deveste muito bem! Ah, e a melhor homenagem mesmo, é ouvi-la!

:)))

Zana disse...

Eu sei meu amor,
que nunca chegaste a partir...

Chinook disse...

Amália,

e outras fadistas...

Vozes de excepção, sentimento profundo...

É tão bom ouvir bom fado.

E agora existem algumas novas vozes que são um excelente tributo a Amália...

Bendito fado, este que nos trás num som de saudade e beleza