7 de março de 2010

É complicado...


Dez anos depois de sair de um casamento, diz a Meryl Streep para o Alec Baldwin:
- É tão difícil encontrar a normalidade depois de tudo.
Também acho. É complicado habituarmo-nos a uma nova normalidade mesmo que não tenhamos gostado da "normalidade" em que vivemos por um período considerável das nossas vidas. Mas não é isso o cerne. O que torna a vida tão interessante na complicação que lhe damos é que quando nos habituamos à normalidade rompemos com ela ou, como tantas vezes, a Vida vem e "desnormaliza-nos" o quotidiano.
Este fim-de-semana lembrei-me muito de tentar a normalização da minha vida depois da separação. Só que já está outra vez tudo "desnormal" a tentar a normalidade.
Acho-me feliz nesta sequência de normalidades em que me vou descobrindo. É complicado, lá isso é. Mas é normal. E, de vez em quando, surge uma normalidade tal que nos faz acreditar que sem todas as normalidades anteriores não teríamos chegado aqui: aqui a esta normalidade a que me vou habituando e em que me surpreendo em choque (ainda) de todas as vezes que páro para pensar nela. Um dia destes vai ser normal esta normalidade...

10 comentários:

JL disse...

Será normal tanta normalidade nas nossas vidas? :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O problema é se essa normalidade se torna tão normal que vai querer sair dela. Nessa altura, entrará noutra pré-normalidade, renovando o ciclo. É dos livros...

Abobrinha disse...

Vi a apresentação do filme e fiquei super curiosa para o ver: dever ser o máximo.

Normalidade... o que raio é isso?

antonio - o implume disse...

A normalidade é um suspiro, não dura mais do que isso... apenas o tédio perdura.

António de Almeida disse...

Não sei se a vida é normalmente complicada ou complicadamente normal...

Ältere Leute disse...

Und dann wird der Ring eine Selbstverständlichkeit! ... Aber ohne den kann man selbstverständlich auch gut auskommen!

Daniel Santos disse...

rasgados elogios do Pedro Rolo Duarte a este texto e à autora, no programa da rádio. Muito bem!

Ana Campos disse...

Eu sai de um casamento de 18 anos de uma forma bastante dramática, diga-se não muito comum.
Acho que normal nunca mais serei

Ältere Leute disse...

Já ouvi o P.Rolo Duarte!( obrigada pelo link). Ao blondewith... vem-se sempre à procura de textos sui generis.

Pedro Lopes disse...

olha, vi e gostei, filme giro, e revi-me nalgumas das situações, yes, I did