19 de novembro de 2010

No país das tolerâncias


Fazendo bem as contas ao desperdício dá qualquer coisa como: um dia de tolerância de ponto por causa de Sua Santidade, meio dia de tolerância em Lisboa por causa do Papa, meio dia de tolerância na Invicta por causa do Ratzinger e um dia de tolerância em Lisboa por causa do Obama e da Carla Bruni entre outros. Some-se os feriados e semi-greves e greves (todos muito justos, é claro) e eis-nos na república das batatas (que bananas não é muito a nossa praia, é "derivado ao" clima...).
Sabem o que eu gostava mesmo? Que o Governo divulgasse, tipo factura do supermercado discriminada, as contas do quanto nos custou a vinda do Papa e a realização da cimeira da NATO, a sério que gostava. Muito a malta gosta de festas neste país, caramba! (pronto, ok, foi a costela alemã a falar que eu nem tenho nada contra folguedos e afins).
Pois eu vou dividir o meu dia entre acabar de ler uma tese, escrever um abstract e no entremeio ir a uma sessão de localizada e a uma de body pump, sessão dupla que também sou filha de Deus, ora essa! E ainda vou fazer mais umas coisinhas que o dia tem de render (mas essas não interessam nada).

4 comentários:

zana dias disse...

Sim, acho que fazes muito bem em aproveitar o tempo ao máximo...mas permite-me discordar num ponto: às vezes, o que parece "tempo perdido" acaba mais tarde, por se revelar útil.

Goldfish disse...

O que eu gosto mesmo, mesmo muito, é de esta tolerância de ponto nas escolas, por exemplo, só abranger o pessoal ligado ao Min. Educação; como as educadoras infantis são pagas pela Câmara, têm de ir "trabalhar", ainda que não haja quaisquer meninos pois a escola não os pode receber sem auxiliares (todas no payrole do Min. Educação, claro). No mínimo sui generis.

antonio - o implume disse...

Ao contrário do que muitos pensam, esses dias são de elevada produtividade. Só vão os que realmente são precisos e poupa-se em electricidade, telefones e outros consumíveis. A produtividade desses dias é imbatível.

Turmalina disse...

Concordo com você que tanto feriado assim já é demais...e pode deixar que República das Bananas é aqui, um país com tanto feriados e pontos facultativos quanto aí.