18 de julho de 2011

Noite de ventania

Isto de viver numa Casa de ecos em noite de vendaval é um bocado como o script manhoso de um filme low cost com casas que rangem e ganham vida própria: spooky. O pior, pior foi ontem às quinhentas eu ouvir o espanta-espíritos da porta de entrada do primeiro andar antes de me ir deitar (e o que me vale é eu ter espanta-espíritos nas principais portas de entrada: é o pensar estupidamente que se alguém entrar eu oiço logo, como se não houvesse mais portas de entrada nesta Casa, enfim...). Lá fui indagar porque diabo o espanta-espíritos estava tão animado. E quando cheguei a porta escancarada porque o vento a abriu (ou seja, eu algures durante o dia devo tê-la deixado mal fechada, o problema é que eu não estive em casa durante o dia). Já se sabe, a noite traz idiotices à memória e aqui a boa da Blonde achou melhor armar o alarme no rés-do-chão e ir ver se estava tudo trancadinho. E assim como assim levou o comando do alarme para a mesinha-de-cabeceira.
Já ainda mais às quinhentas, a mesma boa da Blonde ia jurar que estava a ouvir passos a ranger dentro de casa. E como a noite é uma gaita em Casas de ecos, zás ligou o comando para o resto da Casa e deixou-se ficar muito quietinha dentro do quarto. Esta manhã, pois... o dia nunca é tão assustador e quem é que se lembra que deixou a Casa feita bunker?... Life!

10 comentários:

Eu Mesma! disse...

Estou a imaginar :)

João Afonso Machado disse...

E o valente Spotty? Nem uma rosnadela em defesa da dona?

Pedro disse...

meteste medo ao espanta-espíritos com o alarme em berraria :)

antonio ganhão disse...

Blonde, muda-te para a cidade... acaba já com este equívoco.

Cristina Torrão disse...

Sim, e o Spotty? Não o tens ao pé de ti? Um cão é o melhor alarme!

Ältere Leute disse...

Já vi que não se esqueceu de o desligar antes de sair do quarto...

Daniel Santos disse...

Casa de ecos? Aqui no campo é normal e já nem sentimos os barulhos... Quer dizer, tirando ali o António que uma vez não consegui dormir aqui no campo porque um galo estava a cantar.

zana dias disse...

... se por aqui se nota a brisa, acredito q por aí ande tudo pelo ar!

Manuela disse...

Pronto, querida Blond, já me deixaste arrepiada :P

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Um bom tema para a Ruth Rendell explorar num livro. O problema é que ela teria envenenado o Spotty, para que não pudesse socorrer a dona.