7 de fevereiro de 2012

A nova geração de casas: não quero

Os especialistas dizem que a tipologia das casas vai mudar: serão mais pequenas, baratas e eficientes. Sobretudo nas zonas urbanas vamos viver em T0 e T1 que podem ser comprados separadamente ou agrupados. Bem sei que o problema nem é tanto da crise, é da família que encolheu, das pessoas que vivem sózinhas, enfim da modernidade dos dias a que chegámos.
Não sei se algum dia vou ter de sair aqui da minha Casa. Quero pensar que não. Quero pensar que vou ter pernas para lhe subir as escadas, que vou ter sempre dinheiro para as facturas astronómicas de electricidade, que não lhe vou sentir a solidão ou que não vou morrer aqui perdida sem que ninguém me ache. Gosto de casas grandes. Nunca habitei o espaço todo da minha Casa. Ainda hoje não a habito na totalidade. Não me incomoda. Começo agora a reclamar espaços, a senti-los mais meus, a negligenciá-los menos porque, de facto, dentro da minha Casa eu só preciso de pouco mais do que um T1. Mas eu amo-a toda e preciso de saber e sentir que o resto está ali. É umbilical isto. O facto é que a Casa não é minha: é das memórias, da família que aqui viveu antes da morte da Mãe, dos Natais felizes; é talvez das gerações futuras e eu sinto-me responsável por mantê-la. Ou é talvez minha afinal porque os ecos e os fantasmas falam comigo e já não me assustam. Seja como for, podemos ir viver todos em casas mais pequenas, mas, por enquanto, preciso Desta.

6 comentários:

Eu Mesma! disse...

Eu fiquei indignada quando ontem li essa noticia...

não querooooo
quero espaço como sempre gostei de ter :)

Turista disse...

Querida Blonde, apesar de não ter lido a notícia, identifico-me muito com a tua reflexão sobre a tua casa grande. :)

antonio ganhão disse...

Somos pobres, sejam pobres. Façam o favor de escutar o Pedro Passos Coelho ele sabe o que diz...

Ältere Leute disse...

Sei o que lhe está na alma. Gosto de viver em cinco assoalhadas ( já lá vai meio século ) ajeitadas ao gosto e cheias de peculiaridades. Mas não esqueço as 18 divisões da minha infância,mau grado algumas enfiadas umas nas outras, as paredes de metro e tal. Tive de a ceder, por inviável mantê-la, mas ficou por perto.
E a outra, o "Monte dos Vendavais", permito-me acreditar que vai ter quem pense como a Blonde! Bj

zana dias disse...

Home is where our heart is...mas se tiver o meu coração num sítio pequenino, tanto melhor... tenho menos q limpar e gasto menos lenha para a aquecer!

mfc disse...

A tua Casa grande vai continuar a ser o teu espaço!
Precisas dela para "viveres"!
Ela é a tua recordação maior!