10 de junho de 2012

Perder até admito

Não admito é o eterno discurso de que perdemos imerecidamente, de que a vitória esteve ao nosso alcance que fomos infelizes na concretização. Bolas, balelas. Perdemos, ponto. Perdemos porque temos medo de arriscar. Plantamo-nos na expectativa do a ver o que acontece ou achamos que a coisa está perdida à partida. Aaah, irrita-me que tenhamos perdido com quem me viu nascer e com quem ando de candeias às avessas. Enerva-me que não sejamos mais como eles. Caramba, o ataque é a melhor defesa: a ver se não o esquecemos nos próximos episódios (que não são só os do futebol).

3 comentários:

A Luz a Sombra disse...

É que o pensamento nos prémios paraliza os jogadores.
Quando era "amor á camisola" era diferente. Bola agora é "massa", "luxo" e parvoíce.

mfc disse...

Mas o certo é que desta vez tivemos mesmo azar!!
Concede lá...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Regressámos ao tempo das vitórias morais. Não tenho pachorra. Fomos incompetentes e medrosos, tivemos o justo castigo. Ponto final. Sm parágrafo.