11 de março de 2013

Possessésima com o diabo do IMI

A minha querida Ältere Leute enviou-me um esclarecedor mapa de como os concelhos portugueses estão a cobrar o IMI. Verifiquei, pasma, que o concelho onde tenho a casa e os terrenos aplica a brilhante taxa de 0,48% num máximo de 0,5%. Ora, trata-se isto de um concelho rural onde o IMI para os terrenos agrícolas é, pasme-se também, de 0,8%.
Pergunto-me, a malta da Câmara aqui do burgo deve dar-lhe nas smartshops, com certeza. Segundo, pela lei deste país desgovernado, os terrenos agrícolas são sujeitos a taxas de IMI superiores aos prédios urbanos. Pergunto-me também: mas como é que alguém pode esperar que a agricultura renasça das cinzas?
Vendo o resto do mapa, concelhos como Lisboa aplicam a taxa reduzida de IMI, o mesmo sucedendo aos concelhos alentejanos. Um dia destes passo-me da cabeça, vendo a cangalhada toda (na hipótese remota de haver comprador), compro uma herdade no Alentejo e dedico-me ao azeite e a ver as cegonhas. Estou fula!

4 comentários:

Ältere Leute disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ältere Leute disse...

Quando se lembrarem de reavaliar os prédios rústicos como reavaliaram as "intalações urbanas" neles contidas, absorvendo parte dos rendimentos ( silvícolas e outros , já bem taxados em sede de IRS... ), não sei se compensará ir definitivamente para o campo...

Ältere Leute disse...

Errata : "instalações".

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Estou à espera que chegue o meu para desabafar!