8 de maio de 2013

Not fair

Esta coisa de a sociedade abusar de quem não tem filhos sugando o espaço e o tempo da sua não-existência é uma coisa tramada.

3 comentários:

Cristina Torrão disse...

E não podes fazer nada para o impedir?

Francisco Nobre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco Nobre disse...

Por vezes uma maneira de abordar o assunto, de forma delicada, é mostrando uma agenda preenchida (em que os nossos próprios espaços de vivência pessoal lá se encontram: o ginásio, a tertúlia, o jantar, a conferência, entre outros). Este assumir na agenda dos nossos espaços pessoais ajuda a colocar entraves necessários para que possamos indicar aos abusadores as nossas indisponibilidades. Eu sei que os dias de hoje não são muito propícios a tomadas de atitude deste tipo mas são essenciais se queremos sobreviver. Um meu chefe dizia,vão muitos anos, que nenhuma entidade patronal nos recompensa ou reconhece o esforço feito no passado quando se tem um qualquer precalço e como tal a colocação de algumas barreiras que não podem ser ultrapassadas é essencial.