5 de agosto de 2009

Dia 5


E qual é o melhor amigo de uma Blonde em férias no Alentejo profundo?
Fenistil Gel, pois claro!! Ó Zana, eu bem sei que tu disseste para eu dormir debaixo do mosquiteiro, mas que queres? Eu não sei que voltas dou que acordo toda enrodilhada naquilo (já viste o que são as parangonas: "Blonde encontrada morta estrafogada em rede mosquiteira"? Ainda alguém pensa que eu tinha um fétiche marado qualquer. Ó céus eu queria uma morte mais digna!). Depois, ando toda sprayzada de repelente de insectos (ainda ontem comprei um "extra fuerte" em Espanha) mas as doidas das melgas mordem-me nos pés e ando que pareço um Cristo emborbulhado!
Hoje não saí da herdade. De tarde, agarrei num balde e fui por esses silvados apanhar amoras. Voltei aos tempos felizes em que eu e a Mana passávamos férias na casa da Avó Matilde e íamos, pela fresca à tardinha, apanhar amoras. Ficávamos com a língua e os dentes pretos e jogávamos ao despique a ver quem comia mais bagos. Pois, lá estive hoje, rindo em silêncio com a minha figura: chapéu de abas e dentadura preta de tantas amoras:
- Blonde Josefina, tu vê se atinas que, na volta, nem o Imodium te salva! Imagina tu que te passa aí um Príncipe num belo corcel branco e te vê nesta linda figura de balde no braço toda pegajosa das amoras esborrachadas e toda perfumada de repelente. Depois fala contigo e tu nem dentes tens que se vejam. Ó deuses, que triste figurinha!
Amanhã é dia turístico. Hoje foi dia de dolce fare niente. Hmm... que bom!

9 comentários:

mdsol disse...

Q. Blondinha

Estou atenta às tuas crónicas. Só não tenho deixado rasto.
Continuação de bons dias por aí. E vai deixando os teus textos que sabe muito bem ler. Tão bem como um prato de amoras...
Beijo silvestre
:))))

Tina disse...

As amoras silvestres também me levam à minha infância e me lembram como eu fui muito feliz!...
By the way...
Não te esqueças cá da je e vê lá se me fazes uma compotazita com as ditas cujas. It`s my favourite one .
bjs
and see you soon

Ferreira-Pinto disse...

Posso assegurar que há príncipes que têm uma certa predilecção por plebeias de dentes arroxeados de amoras!
Não te amofines, por aí.

Noto ainda os profundos conhecimentos de farmácia, talvez a sugerir um ramo de negócio.

Já agora, espero que não tenhas tido nada a ver com o tremor de terra que se sentiu com epicentro em Arraiolos!

António de Almeida disse...

As raras incursões que fiz ao campo, resultaram em fracasso. Continue, estou a gostar de ler...

Rui Herbon disse...

Ai as amoras... que inveja.

Ferreira-Pinto disse...

De regresso ... é que não me sai da ideia o pormenor meio "lilas" do paninho ou guardanapos de papel para as amoras :)

Chinook disse...

Amoras, tenho de dizer que prefiro os medronhos. Lembro-me no meu passado na parte militar da tapada de Mafra de um cantinho junto a um dos ramais do aqueduto das águas livres (que vai bem longe na busca de água para a cidade Lisboa) que havia um recanto onde floresciam uns medronheiros muito catitas. O abuso podia não ser muito famoso mas sabia muito bem comer os medronhos naquela zona de sombra deliciosa e na paz de um local idílico.

Boa continuação de férias.

Goldfish disse...

Este ano já fiz o mesmo... Vi umas coisinhas pretas nas silvas, mesmo à distância, e não resisti! Ainda gosto mais destas do que das de árvore! Boas férias

Blondewithaphd disse...

mdsolinha,
É tão bom amoras!!!!!! Se as tivesse internéticas mandava-te um cesto.

Ó Tina,
E para fazer a compota como é que eu tiro as grainhas? Diz lá que tu é que és a mestre cozinheira.

Quinn,
Ó meu, lógico que eu forrei o baldinho com papel de cozinha, né? Loura mas muito higiénica!:) E fiquei tão surpresa quanto tu com essa do terramoto.

Ó António,
Isso é que é cosmopolismo:)

Rui,
E vou fazer mais inveja: São muuuuuuuuuuuuuuuitas e muuuuuuuuuuito boas:)

Chinook,
ADORO medronhos!!! MAs aqui é mesmo mais amoras:)

Goldfish,
És cá das minhas, mulher! As dasárvores são para os bichos-de-seda!:)