18 de outubro de 2010

É que além de burros são porcos


Achava eu, erroneamente pelo que vejo agora, que uma das marcas civilizacionais de um povo, uma nação, uma comunidade, se expressava no seu maior ou menor grau de higiene. Pois com este OE é o regresso ao tempo das cavernas que aí vem.
Alguém me explique, s.f.f. e devagarzinho, porque é que os básicos da higiene diária são taxados a 23%? E, já agora, porque é que a pasta de dentes do supermercado leva 23% de IVA e a de farmácia 6%? E, deuses, o papel higiénico?!
Ah, e já agora que andam todos muito entretidos a debater a revisão constitucional, que tal consignarem um artigo entre as liberdades e garantias dos cidadãos que preveja o direito sacrossanto à higiene, hein?
Eu ando cada vez mais parva com tudo isto...

9 comentários:

antonio - o implume disse...

Moral da história: com tanta merda nem vale a pena limpar o cu.

Daniel Santos disse...

lamentável Orçamento de estado.

Maggie disse...

Talvez as farmácias se lembrem de vender tb papel higiénico...

Ältere Leute disse...

Volta-se ao tempo das folhas de lista telefónica ( as da PT também vão emagrecendo...), ou de jornal.
Para não falar da tal pedrinha do campo, ou da folha de figueira, tão usuais nos campos do Alentejo de outrora...

S* disse...

Mas isso é chocante... como é possível que cortem no BÁSICO?

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Este OE ainda é mais confuso do que eu pensava! Pasta de dentes mais barata nas farmácias do que nos supermercados? Devo estar a alucinar, ou foi a mudança de fuso horário que me deixou em mau estado
Quanto ao papel higiénico até percebo... com a fome, os portugueses vão deixar de precisar dele e passará ser considerado produto de luxo.
Já agora... não há por aí nenhum produto para cuidar da higiene mental dos nossos governantes?

A.B. disse...

É um caminho aberto para os verdadeiros empresários. Farmácias Pingo Doce, e está o problema resolvido!

LP disse...

Eu já tirei, da minha caixa de correio, aquele auto-colante a indicar para não depositarem correspondência não endereçada.

Quanto ao dentífrico..., bem, conhecem aquele caso do homem das castanhas assadas, que as vendia junto à porta de uma entidade bancária, e que foi alvo de um pedido de empréstimo? Nem ele emprestava dinheiro, nem o banco vendia castanhas assadas!

Analizando:
Dentífrico - higiene oral, higiene oral - medicina dentária, medicina dentária - saúde, saúde - farmácias, farmácias - negócio seguro, negócio seguro - pouca concorrência, pouca concorrência - protecção, protecção - carteis, ...

Ah, também, estou a guardar os talos das couves para a minha higiene oral. Fiz uma plantação de hortelã, comprei um almofariz e, faço uma mistura. Tudo verdinho!!!, estou com esperança de poupar uns trocos. Só espero que o raio de actuação da ASAE não se estenda ao domicílio familiar.

António de Almeida disse...

Compro pasta na farmácia e vem taxada a 21%, como vários dos produtos que por lá se vendem...