13 de novembro de 2010

Conta do supermercado

Blonde vai às compras. Blonde, que anda para lá de pissed off com o governo e a crise e novamente o governo, decide olhar melhor para o papelito com o somatório das comprinhas. Amigos, aquilo é um tratado à imbecilidade. Mas eu fiquei com uma teoria...
- pão, frutas e peixe, IVA a 6% (sim senhora, as slow foods fazem bem e são nutritivas e etc.);
- miolo de camarão, IVA a 21% (ok, concedo que é uma vitualha dispensável e ninguém morre se um Bacalhau à Conde da Guarda não tiver lá pelo meio uns camarõezitos);
- vinho tinto, IVA a 13% (bom, convenhamos que não é a coisa mais essencial mas, tratando-se de um país produtor e o vinho é um importante elemento cultural e tal, a coisa nem é escandalosa);
- papel higiénico, IVA a 21% (aqui começa a droga a fazer efeito, aquilo andam todos marados e depois têm ideias alucinadas destas);
- revista de informação (para o caso a Visão), IVA a 6% (pergunta absolutamente idiota: mas onde carga de água é que as revistas são mais indispensáveis que o papel higiénico?).

Teoria Blonde:
a). há que dar a noção de que se está a fazer pela literacia da população e que a informação é um direito basilar ou;
b). como as revistas de informação geralmente malham na classe política, palpita-me que o uso que a dita lhes dá servirá outros propósitos, diremos de higiene mental, e vai daí a troca porque, lá está, trata-se de um produto de absoluta necessidade...

Ele há com cada uma neste país!!

7 comentários:

Goldfish disse...

Eu repito-me, eu sei, mas não conheces uma lenga-lenga infantil estúpida que envolve um juiz, a porta do tribunal e o jornal (jornal, revista, é tudo o mesmo)?

Pedro disse...

Portugal não é um país
é um local mal frequentado

Blondewithaphd disse...

Darling Goldfish,
eu não sei lenga-lengas em Português:( A não ser aquela do rato roeu a rolha da garrafa do rei da rússia:)

Tou curiosa...

antonio - o implume disse...

Minha querida, todo este país é uma lenga-lenga... desafinada.

zana dias disse...

Vai antes comprar à feira ou ao mercado onde não entregam recibos e assim não dás cabo dos neurónios!

Goldfish disse...

"Se tu visses o que eu vi, à porta do tribunal, as cuecas do juiz embrulhadas em jornal!" e havia uma continuação (ou, desconfio agora que me obrigaste a pensar, outra lenga-lenga qualquer)que dizia que "não há papel - limpa-se ao jornal". QUem se lembrar do resto que se chegue à frente, que cá por casa já ninguém dá para mais que isto!

Joaninha disse...

Blonde, então não entendes? Eu explico.

Chama-se reciclar....

Ora lês a revistinha, depois deixas no WC para os teus convidados, não é cómodo, mas enfim, em tempos de vacas magras....Assim a revista tem 2 propósitos antes de ir parar ao lixo.

Já o papel higiénico, não trás nada para ler e convém não reciclar...hehehe...

beijossssssss