6 de dezembro de 2010

Começou o meu Natal


É a primeira vez este ano que oiço "Last Christmas". Estaciono no Martim Moniz. Chove. Apetece-me andar e estou com tempo. Lisboa está cinzenta como as pessoas. Atravesso a Praça da Figueira por entre fumo de castanhas. O Rossio. Subo o Chiado como na canção. Gosto de andar à chuva. Prescindo sempre o guarda-chuva mas hoje chegaria ensopada. Es ist immer so gut. Immer diese warme Freundschaft. Die Erinnerungen...
O tempo é uma coisa tão rara. E Lisboa, assim sob a chuva no triste da tarde, nas vidas apressadas de passos, nos turistas, Lisboa elegíaca em cinza, tão bom.
Recebo chocolates de Beja. Vêm quentes de sol do passado no calor do presente. Hab'ich es nicht gesagt wie gut, immer so gut, die warme Freundschaft ist?
O meu Natal começou hoje por entre pingos de chuva e palavras mornas que se trocam e chamam outras. Palavras que vêm de longe no Tempo e que sabemos estão apenas à distância não de um Aufwiedersehen de circunstância, mas de um auf Wiedersehen redondo de volta. No Chiado ou em qualquer outro lugar...

8 comentários:

Utena disse...

Texto delicioso

antonio - o implume disse...

Que bom ser-se professor! Já de férias de Natal.

Ältere Leute disse...

Porque é que o começo do Natal da Blonde teria de ser férias de Natal ?
O Advento que, na Alemanha, os lares festejam abrindo dia-a-dia "janelas" ( ou "portas" ) de um Calendário e acendendo , cada domingo, progressivamente, as quatro velas da Coroa do Advento, começou este ano no dia 28 de Novembro...
Ja, das haben Sie immer gesagt: Wirklich gut das Wiedersehen, das
Wiederhören, das Wiederschwätzen! Com fábulas, máquinas de costura e sofás de veludo evocativos de salas antigas, Mestre Cacau, Brombeere... ou o que a imaginação trouxer... se possível, à mistura com boas novidades!

zana dias disse...

A publicitar assim estes bonbons com aspecto delicioso, vais dizer-lhes Aufwiedersehen num instante!

Eu Mesma! disse...

Adorei o texto...
consegui sentir lisboa cinzenta sob o manto chuvoso...

Daniel Santos disse...

belíssimo momento.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Este ano ainda não assumi que o Natal está próximo. Cada vez mais me sinto distanciado dessa data.

George Sand disse...

Só de pensar em fazer a àrvore, tirar as caixas, pendurar as bolas...que chatisse!