20 de julho de 2012

O Relvas, o IVA e isto é uma anedota

O ano passado quando se descobriu que o Ministro da Defesa alemão, Karl-Theodor zu Guttenberg, tinha plagiado partes da sua tese de doutoramento ficou sem tese, sem título e sem pasta. Mas isto, já se sabe, os alemães não têm um pingo de sentido de humor e a coisa foi tomada como uma vergonha que tinha de sair de cena rapidamente e ponto final. Aqui, valha-nos isso, o humor reina e, no caso da pseudo-licenciatura do pseudo-Dr. Relvas, a coisa vai à gargalhada: porque é que o Relvas atravessou a estrada? Para tirar o ERASMUS! Que uma pessoa se dê a este enxovalho em praça pública acho de um masoquismo apreciável. Que os portugueses façam disto o anedótico do nosso quotidiano acho a expressão máxima da nossa boa-disposição (estão a ver porque é que me naturalizei portuguesa, não estão?).
E depois temos a ideia ofuscante de que o IVA pode ser restituído ao contribuinte, até um tecto de 250 euros, se este (desgraçado) apresentar facturas no valor de mais de três salários mínimos por mês. Desatei a rir quando vi ontem na televisão o secretário de estado de troca o passo explicar como era fácil o contribuinte declarar a molhada de facturas online.
Eu acho que este é país do Rato Mickey, a república das bananas da Europa, mas que temos coisas hilariantes, temos. Que o nosso dia-a-dia político é uma anedota pegada, é. Que me farto de rir, farto. Quero lá eu voltar para a Alemanha, nem pensar! E perdia esta diversão toda? Não.

3 comentários:

Rita Maria disse...

A anedota é muito boa, escrevi logo à minha mãe :)

mfc disse...

Continuamos a ser um verdadeiro país de opereta!

Beijinhos,

J. disse...

Muito bom este ponto de vista!

Um abraço,
João