27 de setembro de 2012

A casa do cãozinho branco

Se dúvidas ainda houvesse que a minha casa é a casa do cãozinho branco, dissiparam-se de uma vez. Precisei de uma pessoa nova para me tratar do jardim. Corri contactos por aqui e por ali até conseguir quem me desse um número de telefone. Ligo. Atendem-me. Digo ao que venho. Explico onde é a minha casa e quem sou:
- Ah, a senhora loura da casa do cãozinho branco!
Se eu soubesse tinha mas era pedido ao meu cão o contacto de um jardineiro. Pelos vistos, ele conhece este mundo e o outro.

6 comentários:

Dias as Cores disse...

Chamar "cãozinho" ao Spotty é ser mt delicado...

Cristina Torrão disse...

E viva o "cãozinho branco"!

Eu tenho uma cadelinha branca (com umas manchinhas pretas na cabeça e orelhas, pronto). Algum dia, terão de se conhecer ;)

Lambidelazinhas da Lucy para o Spotty :D

Ältere Leute disse...

E que tal "casa das osgas" ?
A gente entreabre uma portada e vê as pessoas de pescoço no ar a olhar para a parede iluminada, cheia delas nas noites quentes de verão... "Ó pai, vamos ver a casa das osgas !" ouve-se na rua...E é o melhor indicativo para o canalizador, homem do gás, etc, apesar de tanto outro traço distintivo ! Tiques ...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Podia ter-lhe pedido o telemóvele ver a lista de contactos! Do cãozinho branco, claro!

Goldfish disse...

A Luna não sei, mas eu nunca conheci tantos vizinhos como desde que tenho cão. Sendo que a "vizinhança" se alonga pelos quarteirões em que se passeiam os ditos.

Cristina Torrão disse...

Acontece-me o mesmo, Goldfish ;)
O meu marido, que só passeia connosco ao fim de semana, pasma com a quantidade de pessoas que me cumprimentam. E com a quantidade de pessoas que, ao verem-nos, fixam-se na cadelinha branca e dizem logo: "Olha, a Lucy! Olá, Lucy!" Algumas, nem eu reconheço!
É giro ;)