2 de janeiro de 2014

Mudar de vet em dia de chuva

O Spotty já fez sete anos e eu, que sempre preferi gatos, não me arrependo um dia que seja de o ter adoptado e resgatado ao abandono e à rua. Nunca me arrependi mesmo quando ele escavou trincheiras no jardim, destruiu TODO o sistema de rega, roeu e comeu DOZE candeeiros de relvado, serrou com dentes de cachorro uma palmeira ADULTA até ela cair por terra, fez chichi nos tapetes persas, roeu pernas de cadeira, a mesinha de café e portas. Não me arrependi quando tive de fazer obras no quintal e vedar o jardim. Não me arrependi quando tive de mandar fazer uma grade de protecção para a bagageira da carrinha e, ainda que me irrite bestialmente, não me arrependo das facturas de veterinário que mais parecem facturas de pediatra tal a exorbitância das contas. Este cão custa-me uma fortuna...
Hoje levei-o a um veterinário novo. Chuva torrencial para mal dos meus pecados e só quem tem cães sabe o que é conduzir com um cão na bagageira a cheirar a cão molhado. Para pior mal dos meus pecados, o Spotty odeia trela e continua a chover quando chego à vila onde está o consultório. Claro que, apesar de levar vestido um impermeável amarelo e um chapéu também impermeável, chego à clínica feita um pato molhado com sorte de não ter sido arrastada pelo passeio por um cão desembestado. Telefonei de antemão à clínica para não terem animais na sala de espera e o Spotty poder entrar no consultório mal eu chegasse. Acharam o pedido estranho e devem ter pensado que estavam a falar com uma dona maluca. Pois... perceberam assim que viram o Spotty marcar território no balcão da recepção e nas paredes do hall de entrada na clínica.
Sempre passei as maiores vergonhas com o Spotty em idas ao veterinário e avisei o novo doutor que o bichinho já tinha destruído dois consultórios de dois colegas dele. Olhou para mim de soslaio... Sim, revirou marquesas de pernas para o ar e atirou computadores para o chão depois de se atirar para a pilha dos ficheiros em papel, fez chichi nas calças do outro doutor e subiu para a bancada dos medicamentos.
- Então e doenças. Este camarada já teve alguma? - Lembro que era a primeira consulta do Sr. Dom Spotty com este veterinário.
- Não. - Respondo. - É um animal muito saudável, só os acidentes do costume.
- Acidentes? Que acidentes é que o animal já teve?
- Ah, sabe, o nariz duas vezes em vespeiros e a ida às urgências para injecções anti-choque anafilático; um rebuçado rodenticida e a ida às urgências para tentativa de lavagem estomacal sem sucesso; o enrodilhar-se em tapetes e garrotear a traqueia e a ida às urgências para lhe tirarem os tapetes a bisturi. Sabe, o normal.
Eu devia ter dito era: "Sabe, o normal neste animal". Acho que nunca vi um veterinário com os olhos tão arregalados:
- Então ele com esta idade continua com comportamentos de cachorro... - Diz meio entre o pasmado e o incrédulo.
- Se calhar...
Enfim, mais um dia de veterinário. E não lhe contei nem metade, que digo?, nem um terço dos disparates deste animal adorável que é, ainda que pareça que não, a coisa mais sociável deste mundo e um amor para o meu sobrinho com quem não faz nem um décimo das diabruras que faz com a sua dona Blonde.
Longa vida ao Spotty! Yay!

2 comentários:

Cristina Torrão disse...

Simplesmente adorável :)
És um amor e o Spotty também. Longa vida aos dois!

Joana Macedo disse...

Parece que estou a ver!!
Adorei! Adoro-vos!!
Mantém o espirito Spottecas!!
É o que faz de ti único!