13 de fevereiro de 2008

Amar Apesar...




The Kiss, Gustav Klimt, 1908.

É muito fácil amar porque...

Porque há alguém que nos completa, porque alguém nos faz sorrir, porque há lembranças boas, porque há momentos de intimidade, porque há calor humano, porque não há solidão. E, como canta a Céline Dion naquelas lamechices popularuchas e patetas, é muito fácil amar " À cause de l'ambiance, Du lieu et du moment, Et des lambeaux d'enfance, Collés à nos vingt ans". É fácil amar quando tudo corre bem, quando os nossos egoísmos são preenchidos e afagados. E quando nós somos o centro de um duo. É muito fácil...

Todavia, amar realmente é outra coisa. É amar apesar...

Apesar dos erros que cometemos, apesar das imperfeições (as nossas e as do outro), apesar dos desencontros, dos maus momentos, das angústias, das contrariedades, do não sermos sempre o centro, apesar das lágrimas e dos sofrimentos, apesar dos silêncios e das rotinas que se instalam, dos quotidianos inclementes, dos olhares vagos, distantes e perdidos e aí, como também canta a Céline:

On ne peut ignorer
Que l'amour se transforme et son apothéose...
C'est quand on aime à cause...
À cause des "malgré".

Amamos realmente apesar de tudo e quando o apesar de tudo não vale nada.


P.S. - É a fuga aos coraçõezinhos e ursinhos que "apimbalham" um dia anglo-saxónico tornado pretexto consumista. Porque celebrar o sentimento humano mais forte não tem de ter um dia, nem um merchandising, nem só coisas fáceis que duram uns meros instantes. E porque a lamechice é oca, repetitiva e cansativa. Não celebro o S. Valentim. Celebro o dia-a-dia e o apesar de...

38 comentários:

Peter disse...

Normalmente não gosto de iniciar os comentários, mas qd o tempo falta, como é o caso, decidi-me a fazê-lo pq já há muito não visitava um blog que aprecio.

Estava a preparar-me para comentar o artigo anterior sobre "o outro", utilizando o que aprendi com o Luis Filipe Barreto, qd andava pela FLL.

Dei com este texto, que apreciei, até pq foge aos lugares-comuns das "lamechices" do Dia dos Namorados, mais um pretexto para se gastar dinheiro, do que outra coisa.

"Amamos realmente apesar de tudo e quando o apesar de tudo não vale nada."

joshua disse...

Amar, Blonde, é um para além de e um apesar de.

A minha primeira namorada, uma moça sobre quem hei-de escrever anonimamente para ela um de estes dias, era particularmente sensível aos dias comemorativos, instituindo mesmo a tirania de eles. Eu era então um tenro e cordato apixonado, anuia sempre Amanteigadamente a ela-Faca.

Quando voou de mim, a aversão a todas as putativas formas de tirania fêmea adveio. Tem de haver uma solidez além-berloques e peluches.

Gosto de sentir-me livre disso. E hoje sinto-me livre das Horas. A cada dia e a cada momento a sua solenidade própria!

O Modelo que nos educa o Eros e o Agapé é Cristo, Aquele que mergulhou na Prova mais Amarga no seu Getsemani!

PALAVROSSAVRVS REX

antonio disse...

E quando se ama não existem lamechices patetas.... por mais ridiculos que sejamos.

António de Almeida disse...

-Amar é bom, não confundir com as palermices que fazemos quando estamos apaixonados. Amar é apesar de, é a todas as horas, nos bons ou maus momentos, ama-se concordando ou não, mesmo quando estamos tristes, ou até zangados nunca deixamos de amar. Amor é o que fica, quando fica, no final da paixão.

quintarantino disse...

Tu que me conheces e sabes com sou acredita quando te digo, espartano nas palavras, o quão adorei ler-te.
Incapaz de dizer mais ou melhor do que aquilo que aqui nos deixas.
Muito, muito belo!

NuNo_R disse...

oLÁ...

Já a canção dizia "Amar é Viver"...

Bjs

Blondewithaphd disse...

Dear Peter,
E o que é que eu digo em face do que escreveu? Obrigada! O resto, subscrevo. (Venha sempre em primeiro!)

Blondewithaphd disse...

Dear Joshua,
Tens toda a razão em completares um pensamento de que me esqueci: amar é apesar de e, claro, além de! Toda a razão!

Blondewithaphd disse...

Dear Antonio,
A paixão é um fósforo.

Blondewithaphd disse...

Dear Antonio de Almeida,
Permita-me plagiar a sua última frase: "Amor é o que fica, quando fica, no final da paixão". Gosto da lucidez contida entre vírgulas.

bluegift disse...

Impossível ler-te e não me lembrar do poeta lisboeta:

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)


Tenho muito da alma deste poema. Sou muito mariquinhas nestas coisas e confesso que faço tanto aproveito destes pretextos comerciais como de qualquer outro que me agrade.

Blondewithaphd disse...

Dear Quinn,
Até quando és espartano dizes uma coisas daquelas... Gracias guapo!

(Ok, confesso, essa do "muito belo" emudeceu-me)

Blondewithaphd disse...

Dear Nuno,
Perdoa a ignorância (genuína e lamentável) mas não conheço essa canção... Ooops!

bluegift disse...

Esqueci-me de te dizer que adoro essa pintura do Klimt. Ternura em estado puro.

Blondewithaphd disse...

Dear Blue,
E fazes muito bem!!!! Cada um é como cada qual e a riqueza humana é a apreensão plural das coisas.
O estado apaixonado é, de facto, ridículo se visto através da lucidez. Para quem está lá dentro decerto sabes o que é e o como é...
Também me lembrei da cançoneta do Tony de Matos: "Cartas de amor, quem as não tem? Cartas de amor, pedaços de dor sentida de alguém". (Se a memória não me atraiçoa acho que era algo parecido).
Happy Valentine:)

Blondewithaphd disse...

Dear Blue (part II),
Acho que deves estar online também, por isso cá vai a resposta ao second comment: I LOVE KLIMT! (but mostly because of a certain trip to Vienna with a certain person... Yeah, I know I shouldn't be all mushy about it, specially because I'm not much of a mushy person myself...)

bluegift disse...

so you love klimt?! got you! oh yes you're mushy! you're mushy! you're mushy! (like kids do ;))

bluegift disse...

Em matéria de músicas de amor... deixa cá ver... a música que a Celine canta no Titanic: "my heart will go on". Mas há outra que também me enche de arrepios: "haja o que houver", não sei se é por conhecera estória que a inspirou ou se pela voz excepcional da Teresa Salgueiro. Ambas creio, tal como com a Celine Dion.

Carol disse...

Amar alguém é tudo o que dizes e, como tal, deve ser celebrado em cada "apesar de". Daí que a maioria dos meus "silly poems" falem de amor...


Serei eu uma Celine Dion da escrita? Blarghhhhh...


Ah, e que bela imagem a que escolheste. Adoro Klimt!!

Carol disse...

Agora fiquei com a música da Celine Dion na cabeça... Sempre podia ter ficado com a dos Madredeus!!

Vou ouvir o "Angel", da Dave Mathews Band e ver se isto me passa!

Tiago R. Cardoso disse...

gostei um belo momento, mas vamos lá ser lamechas, vamos ficar com aquele olhar de pateta, não apenas um dia, mas todos os dias, vamos assumir o que somos, vamos amar...

Blondewithaphd disse...

Liebschen Blue,
Now don't go about spreading the word that Blonde can be a mushy gal;)
Pois, essa do "Haja o que houver" não toca cá por estas bandas (sorry... eu sei que Madredeus é bom para quem gosta mas que posso fazer?, isto cá em casa foi sempre muito dado às estranjas e eu não percebo as letras em Português, sim, é aflitivo!). E essa da Céline deve ser das poucas dela que também não me convence, mas já a ouviste cantar "Quand on a que l'amour" do Brel? "Alors sans avoir rien, que la force d'aimer, nos aurons dans nos mains, amis le monde entier", simply perfect! E claro (agora entrego-me tal cordeiro pascal ao que para aí vem), "Careless Whisper"... (ok, matem-me já, mas depressinha!!!!)

Blondewithaphd disse...

Dear Carol,
Mujer de Dios!, quem te disse que escreves silly poems? (Hmm, haverá poemas non-silly? Nem mesmo o "The Love Song of Alfred J. Prufrock" do Eliot, nem mesmo esse!). Olha, num conheço essa música... (mas conheço a nova do Craig David...;))

Blondewithaphd disse...

Dear Tiago,
Bom, nada que não se faça: o meu frontispício já é pateta o suficiente 365 dias por ano;)
Mas agora a sério, tens razão, se andássemos todos mais apatetados com coisas nobres, não havia metade das chatices do mundo.

quintarantino disse...

Ó que carago ... ele é Céline Dion para aqui, Madredeus para acolá, a outra lá com a Dave Mathews Band ... ó moças, vós ouvinde-me Nick Cave ... escutainde-me o Tom Waits ... deleitai-vos com o Serge Gainsbourg!

Carol disse...

Ah, Tom Waits... Também gosto, sim senhor!

Craig David já ouvi falar, mas não estou a ver qual é a nova... Sorry;)

Nick Cave também gosto e vem a Portugal dia 21 de Abril. Convidei-o propositadamente para o aniversário do mano mais velho. O gajo merece. É um porreiro, pá!...

P.S.: Please don't tell anyone, but I also like "Careless whisper"...

C Valente disse...

Saudações amigas

Blondewithaphd disse...

Quinny my man,
You already know what I like when it comes to music, so why the insistence in Nick Cave? I'm a hopeless case Quinn;)

Blondewithaphd disse...

Dear Carol,
A nova do Craig David é assim um mix do "Let's Dance" do Bowie. Pois... eu nem sabia que o Cave cá vinha, mas estou tentada a ir no dia 25 de Abril ver um outro grupo que cá vem e que eu não digo porque aí é que ia ser o bom e o bonito da malta toda a gozar aqui com a Je;)

Blondewithaphd disse...

Dear CValente,
Saudações também!

bluegift disse...

Espera... os Backstreet Boys? Ah ahah! (já volto daqui a meia hora de riso...)

Resumindo, nisto de canções de amor somos como o poeta, umas piegas! é só pirosos! ;) excluindo ali o Quint que tem uma selecção musical muito boa, sim senhor. Se bem que o Gainsburg é mais do género "música para constituir família" lol!

O George Michael, não é um dos meus preferidos mas gosto de várias e no estilo pinga-amor gosto especialmente do "if you don't love me", mais dramática. No "Quand on a que l'amour" continuo a preferir o Brel, é mais sentimental, acho.

(bom tema para um post: músicas preferidas ;))

bluegift disse...

Craig David não é nada piroso, um misto de motown e pop, muito bom mesmo.

Carol disse...

Hey, Dave Mathews também não é piroso!!

BackstreetBoys já é um exagero na lamechice, ó Blonde! Mas gostos não se discutem... Ah, esse é que é o Craig David?! Afinal, conhecia a música...

Brel também gosto, mas prefiro o Leonard Cohen!

Blondewithaphd disse...

Blue,
Espero que já te tenhas recomposto:)
Enfim, que posso dizer que me salve a honra? Lá irei sózinha ao concerto porque cá por estas bandas ninguém no seu perfeito juízo me quer acompanhar (sniff! cambada de desmancha-prazeres). E quanto ao dito cujo de nome Yorgos Kyriakou Panaiotou pois... I'M JUST THE Nº 1 FAN! Que queres que faça, fiquei-me pela adolescência em termos de música...
Um post sobre músicas favoritas??? My dear Blue então aí é que este blogue passava a blogue cómico:D

quintarantino disse...

Ora, ora ... moça, eu até te pago um pequeno almoço na "Suíça" só para ver um post com as tuas músicas favoritas ... ai, ai ... e, já agora, tu bem sabes que eu sou teimoso como uma mula e ainda não perdi as esperanças de te mostrar que nas aparentes trevas do Nick Cave brilha a luz do amor e da fé ... ora, ora ...

Blondewithaphd disse...

Ó Carol,
Lamechice os Backstreet Boys??? Aquilo é mesmo é para cantar e dançar! Qual lamechice!!! Aquilo tira dez anos a qualquer pessoa! É quase como voltar à faculdade! (pois... hmm... eu nunca saí bem da faculdade...).
Leonard Cohen?! Gimme a break;)

Blondewithaphd disse...

Olha-m'este!
Ó Quinny darling, não provoques porque tu, of all people, até sabes o que a casa gasta! Deixa de fazer coro aí com a Blue porque eu já disse que quando me puser com a cena das músicas favoritas nasce um blogue para a comédia:D

quintarantino disse...

Minha chérie, olha que do modo que as coisas vão um blogue para a comédia era capaz de ser um êxito!