30 de novembro de 2009

Pelos caminhos de Portugal


Eu só tenho duas perguntinhas assim como quem não quer a coisa:
- QUEM FOI A MENTE BRILHANTE QUE PROJECTOU O TRAÇADO DO IP3, hein? Acho que nem no Norte de África eu alguma vez conduzi por uma estrada tão bera, horrorosa, mal sinalizada, perigosa e todos os etcs!
- QUEM FOI O SUPREMO MACHISTA QUE INVENTOU A CALÇADA À PORTUGUESA, hein? É tudo muito giro mas Blonde que é Blonde usa pumps e é um inferno a cada três passos lá lhe ficarem os saltos na calçada. Tenham dó!
Pronto, já perguntei!

12 comentários:

Pedro Lopes disse...

o IP5, que agora é autoestrada, talvez seja uma alternativa, sendo que tb é perigosa, mas pelo menos deve ter sempre dupla faixa de circulação em todo o traçado

Joaninha disse...

Bom isso do drama da IP3 é mesmo assim...Telefona ao Presidente Cavaquinho ele sabe.

Quanto à calçada, Loira amiga venham de lá esses ossos, muita vezes me pregunto eu quem foi o Iluminado!. Dessa mesma dor padeço eu, mas não me rendo, não deixo os meus saltos nunca!

Agora que cansa para caraças lá isso é verdade.

Goldfish disse...

Bem, a calçada portuguesa não sei quem inventou - foi há um tempinho atrás - agora o IP3... é claro que também não sei! Mas, depois de uma conversa que ouvi num autocarro em Lisboa entre um sr. com profissão não identificada e outro que desenhava a sinalização das estradas, passadeiras, etc., fiquei convencida de que também não vale a pena saber. Eles (os senhores que trabalham com o pincel e a tinta branca) fazem o que bem lhes apetece, consoante lhes dá menos trabalho ou se lhes afigura (nas suas cabecinhas esclarecidas) melhor.

antonio - o implume disse...

AS incompatibilidades da Blonde com a província...

Chinook disse...

A calçada à Portuguesa não tem propriamente um inventor mas tem um grande implementador: António de Oliveira Salazar. Na realidade o esforço de criar ocupação a uma população muito mal preparada tecnicamente e a necessidade de criar espaços de circulação (civilizados - diga-se sem lama) na capital foram as motivações da pressão do Dr. Salazar ao Ministro das Obras Públicas no sentido de se criarem as calçadas.

Quanto ao IP3 não mais é do que um trabalho de ajuste da estrada antiga. Assim o risco é sempre elevado e nada mais do que isso. Mas de qualquer modo é muito melhor do que a versão anterior ao IP3.

Jinhos

Ältere Leute disse...

Sobre o IP3 não sei nada... mas a calçada portuguesa que eu conheci ( vor langer langer Zeit ) não é a que agora - lamentavelmente - lhe causa estragos ! Essa ( a que eu conheci ) está corrompida e - lamentavelmente - já ninguém sabe repará-la, muito menos fazer uma nova!

zana dias disse...

Tal como os saltos altos não se fizeram para calcuriar passeios calcetados, também há sítios onde não se deveriam fazer estradas para carros que andam à velocidade dos de hoje!
A base geológica e o relevo já lá estavam há muito e os burros e as carroças não se queixavam...

Daniel Santos disse...

Inventaram a calçada portuguesas muito antes dos sapato de salto alto.

mdsol disse...

Q. Blondinha
Devias te ido pelo IP5 e não pelo IP 3. Andavas mais um pouco na A1, mas era melhor caminho. A IP3 é mesmo perrigosa.

Quanto aos saltos e à calçada portuguesa: Já ouvi dizer que, finalmente, vã começar a valorizar as questões da segurança em detrimento da tradição. Acho que já há propostas para que a calçada portuguesa seja conservada em determinadas zonas, mas nos passeios onde passam as pessoas o piso ser mais seguro. Como sabes não é só desconfortável para quem usa saltos..
Beijinhos
E o meu cof, cof, cof, cof continua...
:)))

António de Almeida disse...

Se tivesse conhecido a estrada anterior ao IP3 é que diria mal da vida, nem imagina o que era o azar de apanhar um camião à frente.

Eu Mesma! disse...

pois....
essa da calcada portuguesa ainda estou estou para entender quem foi a mente iluminada....

não ha paciencia....

Dylan disse...

De facto, o IP 3 deixa muito a desejar. E é uma pena, pois atravessa localidades de grande interesse turistico.