5 de novembro de 2010

Diários agrícolas: começou a confusão

aqui tinha falado do meu pedaço de chão, do como me estou a reencontrar com um monte de coisas de um passado trágico que aos poucos vão encontrando um caminho para a luz, ou pelo menos, vou tentando que encontrem um caminho para dentro da minha vida. Tem sido assim com a Casa e agora vai ter de ser assim com os torrões de terra, que, tendo estado ao cuidado de terceiros generosos o suficiente para me libertarem do peso da responsabilidade, eu agora quero tomar em mãos. Algum dia tinha de ser...
Primeira precaução da Blonde agricultora: ver marcos e conferir extremas. Há uns anos mandei fazer um levantamento topográfico que enfiei para dentro de uma gaveta com um dossier chamado "Terrenos". Toca de tirar cadernetas prediais e mapas e ver o estado da coisa.
Sem surpresa, um idiota de um vizinho achou por bem fazer uma dependência qualquer numa das extremas confinantes com um dos terrenos aqui da Blonde. Tudo ok não fosse ter-se lembrado de abrir uma janela e... enfeitá-la com duas pombas de louça. Até lhe podia perdoar a ousadia não fossem as pombas, que eu sou uma mulher de estilo, ora essa! Tirei fotos (horrorosas como só podiam ser), fui à Conservatória pedir os dados do dono das pombas de louça e entreguei uma petição na Câmara para me resolverem o problema.
Chegou a resposta.
Tarara, tarari, sim senhora que eu tenho muita razão (também lá na Câmara não devem gostar de pombas de louça) e... agora vem a melhor parte e até vou citar:
"Informamos que na presente data, foi enviada comunicação ao proprietário do prédio em questão para proceder ao respectivo licenciamento administrativo."
?! Além da pontuação grosseira, o que é que isto quer dizer exactamente? Que se o dito proprietário licenciar a janela eu tenho de gramar com as pombas? Mas eu não quero janela nenhuma aprovada porque é por isso que existe um artigo 1360 do Código Civil!

Acho que o meu caminho em direcção à agricultura começa a esbarrar numa coisa viscosa chamada "poder local". Lá vou eu meter pés a caminho e perguntar ao Vice o que raio é aquele relambório. Hmm... algo me diz que cheguei ao pântano...

8 comentários:

Manuel Rocha disse...

?!

Percebo a questão estética. Mas reli e escapou-me a relação da janela e das respectivas pombas de porcelana ( olha se fossem uma águias do Benfica !!...) com a agricultura. Achas que te vão comer as ervilhas, é ?

:)

zana dias disse...

Deixa lá estar as pombinhas que qualquer dia, sem dares por isso, levantam vôo!

Daniel Santos disse...

ora pombas...

antonio - o implume disse...

Esse assunto preocupa-me. O que tens tu contra as pombas do vizinho?

Ältere Leute disse...

Já ouviu falar de "usucapião" ? Veja como se conjuga com o tal artigo 1360... porque o homem das pombas, perdão, da janela não vai facilitar: experiência de "Ältere Leute"!

JOY disse...

Olá Blonde,

O bom gosto não está ao alcance de qualquer um ao contrário da estupidez.

Fica bem
Joy

Joaninha disse...

Blodinha darling,

Há quanto tempo tem o senhor a janela das pombinhas aberta para o teu terreno? Não é há mais de 20 anos pois não?

Adiante, o que isso quer dizer provavelmente, que não tenho conhecimento directo dos factos, é que esse senhor fez essa obra, ou seja edificou essa dependência, sem licenciamento da câmara. Assim a câmara notificou-o para ele iniciar o processo.

Provavelmente durante este processo a Câmara vai exigir que ele feche a janela ou lhe reduza o tamanho para que a aprovação seja possível visto que a dita viola o disposto no 1360 do código civil.

Essas coisas são sempre uma bela de uma confusão...Coitadita da minha Blonde.

Vai dando noticias, se poder ajudar, manda!
Beijos

Quint disse...

Ai menina doutora Joaninha que atropelo aos mais elementares princípios!
Então e a neutralidade da licença urbanística?