10 de abril de 2012

No silêncio

Silêncio é talvez o que a minha alma mais necessita de vida. Porque só no silêncio ouvimos o muito que há para ouvir. E só no silêncio ouço esta Casa de ecos. Quando eu era mais nova tinha medo dos silêncios desta Casa que me infundiam de um pavor aterrador como se albergassem o Além que estava sempre a um passo de ser descoberto. Lembro-me d epensar que me seria impossível viver aqui sózinha um dia.
Até que o dia chegou, por tragédias e ironias inusitadas do destino, e eu fiquei aqui, dona e senhora do espaço. A solidão espantou-me o medo injustificado e, no paradoxo, passei a dar-me bem com o silêncio denso que aqui habita e se faz, porventura, a maior presença desta Casa.

4 comentários:

mfc disse...

Percebo e gosto desse silêncio companheiro!
Beijos,

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Eu gosto de siL~encios. Como aquele de que estou a desfrutar neste momento no meu Rochedo

Pedro disse...

o silêncio é um tempo
de espaço sossegado
o tempo feito lento
entre som sussurrado

CNS disse...

Somos mais resilientes do que pensamos.